Cárie Dentária


CARISOLV ä – UM NOVO CONCEITO PARA A REMOÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA

Autora:

Luciana Raulino da Silva

Orientadora:

Sandra Kalil Bussadori

Resumo: O Carisolvä é um sistema de remoção químico-mecânica da cárie, com preservação máxima de tecido dental sadio. Efetivo na remoção da cárie, não causa dor, não necessitando de anestesia local, reduzindo a ansiedade sentida pelo paciente, o que resulta numa experiência menos estressante, tanto para o paciente, como para o dentista.

Introdução

A cárie dentária é uma doença que afeta quase todas as pessoas. Os procedimentos de remoção da cárie envolvem o uso de brocas adaptadas a motores em alta e/ou baixa rotação, o que muitas vezes, causa medo e ansiedade ao paciente, devido ao seu barulho quando acionada, além de promover a remoção de uma área dental maior do que aquela afetada pela cárie.

Apesar de terem sido desenvolvidos alguns métodos, que simplifiquem o tratamento e são menos traumáticos, como por exemplo, os tratamentos a laser, e ainda são necessários altos investimentos e longos treinamentos para a obtenção de resultados aceitáveis.

Procurando tratar a cárie de uma maneira simples, acessível, efetiva e que preserve o tecido sadio, os fabricantes têm estado em constante busca e pesquisa, e com isso, criaram um método de remoção quimico-mecânica da cárie. Esse método utiliza um gel, que promove o amolecimento do tecido cariado, preservando a parte sadia do dente, sem causar dor e desconforto ao paciente.

Em 1975, Habib et.al., descreveram o primeiro estudo científico do método, baseados neste estudo, Goldman & Kronman relataram que o método químico mecânico era um meio de remoção da cárie.

Watson & Kidd, em 1986, em um simpósio em Bonston, demonstraram que o hipoclorito de sódio a 5% era capaz de remover o tecido cariado da dentina. Porém, o hipoclorito de sódio mostrou-se muito instável e agressivo aos tecidos sadios, com isso, incorporou-se a ele uma solução tampão de Sorensen. Tal solução continha uma mistura de hidróxido de sódio, cloreto de sódio e glicina. Esta primeira fórmula, denominada, GK101, consistia de N-monocloroglicina (NMG), que provou ser mais efetiva que o hipoclorito de sódio sozinho. Inventado por Habib, Goldman & Kronman em 1975, o GK 101, saiu do mercado rapidamente, dando impulso para o desenvovilmento de outros estudos, que mais tarde resultaram no GK 101E.

Baseado no GK 101E, um novo sistema de remoção da cárie, denominado Caridex, foi criado e aceito pela FDA em 1984. O sistema Caridex foi o primeiro sistema de remoção química mecânica envolvendo intermitentes aplicações do GK101E reaquecido e do ácido aminobutírico e N-monocloro – DL-2 (NMAB). Segundo McCune (1986), a solução causava a ruptura do colágeno da dentina cariada, facilitando a sua remoção.

O efeito nos tecidos sadios é reduzido por causa da reação do hipoclorito com um aminoácido. Apesar de ser bastante efetivo, o Caridex não alcançou o sucesso esperado devido às inúmeras falhas. Ele era eficiente, mas não era operacional, já que era um equipamento muito grande, que exigia um reservatório de grandes dimensões e necessitava de aquecimento.

O tempo de operação era muito reduzido, e a durabilidade da solução era muito pequena, já que era instável, como a maioria das soluções de cloro. Em 1990, um novo produto denominado Carisolvä foi criado. As diferenças básicas entre ele e o Caridex, diz respeito, a maior eficácia, rapidez e facilidade de manipulação. A diferença mais importante é que o Carisolvä é constituído por três aminoácidos que promovem um efeito diferente na dentina cariada, devido a uma melhor interação com o colágeno degradado da lesão. Estes aminoácidos reagem com o hipoclorito de sódio neutralizando o seu comportamento agressivo nos tecidos sadios, permitindo um aumento na velocidade da remoção do tecido cariado.

Apresentado sob a forma de dois géis, um deles contendo o hipoclorito de sódio e outros três aminoácidos diferentes, o Carisolvä é um novo sistema de remoção química-mecânica da cárie, com preservação máxima do tecido dental sadio. Alguns aspectos devem ser considerados e analisados antes da utilização clínica do produto, para tal, Santos et.al. (1999) avaliou a biocompatibilidade do gel, sendo que o resultado demonstrou que o mesmo não é tóxico em cultura de células de fibroblastos de ratos.

Ao comparar a remoção de cárie com Carisolvä à remoção de cárie convencional, Oliveira et.al., relatou não haver diferenças estatísticas importantes no que diz respeito a microinfiltração de restaurações em resina composta realizadas após o tratamento. Os mesmos autores, em 1999, através da microscopia eletrônica de varredura observaram que o aspecto dos túbulos dentinários após a remoção de cárie feita através do Carisolvä é diferente de quando se faz a remoção convencional por meio de brocas ou pontas diamantadas não havendo presença de bactérias.

Tafner & Mathias (1999), desenvolveram estudos para avaliar a necessidade de anestesia local durante a remoção da cárie. Salem et.al. (1999) constataram a facilidade efetividade do Carisolvä, para a remoção de lesão de cárie em superfície oclusal de dentes decíduos posteriores, porém o aspecto clínico da dentina é diferente quando comparada à remoção mecânica da lesão.

Materiais e métodos

Três crianças com idades entre 4 e 10 anos foram atendidas no ambulatório da Faculdade de Odontologia da Universidade Camilo Castelo Branco. Todos os dentes selecionados apresentavam cárie em região oclusal, bem próxima à polpa. Inicialmente, fez-se a anamnese, o exame clínico, orientação da técnica de escovação, evidenciação e análise do índice de cárie, radiografia de diagnóstico e adequação do meio bucal. Selecionamos os dentes, cuja radiografia mostrava a lesão de cárie mais próxima à região pulpar e demos início ao tratamento com Carisolvä.

Inicialmente fez-se a profilaxia do dente em questão com pasta profilática, isolamento relativo e manutenção da cavidade oral seca , pois a umidade impede a ação do produto. O Carisolvä é composto por um fluido incolor, contendo hipoclorito de sódio a 0,5% e um gel vermelho que contém três aminoácidos diferentes (ácido glutâmico, leucina e lisina), hidróxido de sódio, cloreto de sódio, eritrosina, CMC (carboxi-metil celulose), que confere viscosidade ao gel e água.

Estes líquidos vêm separados, assim, momentos antes da utilização eles devem ser misturados. O gel misturado foi colocado em potes Dappen para evitar a infecção cruzada e levado até a região afetada pela cárie com o auxílio de pincéis, ou Microbrush, espera-se de três a cinco minutos e começa-se a remoção da cárie amolecida, por meio dos instrumentos manuais que acompanham o produto, ou através de curetas para dentina. Se necessário refaz-se a aplicação, até que todo tecido cariado seja removido. No caso de sobra, o produto pode ser armazenado e reutilizado em outro paciente, no máximo duas horas.

Após a remoção da cárie realizou-se à restauração dos dentes. Por se tratar de dentes decíduos, ou recém erupcionados, optou-se por um tratamento totalmente conservador, já que o Carisolvä remove apenas o tecido cariado, preservando os tecidos dentários sadios. Procedeu-se a restaurações com resina composta, realizando-se todos os passos de uma restauração comum, ou seja, realizada após o tratamento convencional.

RESULTADOS

Houve remoção de toda a cárie. De acordo com as particularidades que envolvem o processo carioso dentinário, pôde-se observar que nas lesões dentinárias de características agudas, a remoção de tecido dental cariado foi muito mais rápida do que naquelas de características crônicas, onde a remoção foi mais difícil e demorada.

As crianças normalmente inquietas e sensíveis ao tratamento, mantiveram-se calmas durante todo o procedimento, não houve exposição pulpar, dor ou sensibilidade durante ou após o tratamento. Após seis meses as crianças retornaram ao ambulatório da faculdade e pôde-se observar clinica e radiograficamente que não houve qualquer recidiva de cárie e que os tecidos subjacentes às restaurações não apresentavam qualquer alteração.

Discussão e conclusões

O método de remoção química mecânica da cárie parece ser promissor. Baseado em um gel que promove o amolecimento da dentina cariada, O Carisolvä remove facilmente a cárie sem afetar os tecidos sadios. Após a análise dos estudos realizados por Santos et.al. e delgado et.al., constatou-se clinicamente neste estudo, que o produto não foi tóxico aos tecidos e também apresentou uma eficácia clínica compatível com uma técnica restauradora convencional.

Durante este estudo pôde-se observar a facilidade de utilização e efetividade do método. Todo tecido cariado foi removido, havendo dificuldade durante a remoção, apenas nos dentes onde a cárie já atingira seu estado crônico. O procedimento foi rápido e totalmente indolor, sendo compatível com os achados de Tafner et.al. Não houve necessidade de treinamentos para a realização da técnica, provando o método ser de fácil utilização por qualquer profissional.

As vantagens da utilização do Carisolvä são inúmeras quando comparado ao tratamento convencional, como por exemplo, não há necessidade de utilização de anestesia local, o que muitas vezes deixa o paciente apreensivo. O tratamento é silencioso e indolor, assim, tratando-se de crianças, ou até mesmo adultos, estes ficam totalmente relaxados durante o tratamento.

Outro fator que deve ser levado em consideração, é a capacidade microbiológica do gel, que diminui a quantidade de bactérias no local afetado pela cárie, como pôde ser relatado por Kneist et.al. (1999). Com relação à presença ou não de dor, esta provavelmente esteja associada ao pH da solução que está em torno de 9 a 11, e à sua característica isotônica, assim, em decorrência desses fatores, não provoca pressão e corte nos túbulos dentinários, agindo passivamente auxiliados por curetas sem corte, desenvolvidas pela Maillefer, nessa dentina contaminada, preservando a dentina sadia.

Um dos grandes inconvenientes do Carisolvä é o seu custo relativamente alto, quando comparado à atual situação financeira de nosso país, além disso, depois de aberto e misturado, deverá ser utilizado por um período máximo de até duas horas. Além disso, devemos considerar que a evolução é imprescindível para obter-se um produto cada vez mais conservador. Em relação ao método convencional, a remoção de todo o tecido cariado é mais demorada, sendo que este tempo é relativamente maior nas cáries em estado crônico.

Apesar de alguns inconvenientes, as vantagens do Carisolvä superam as suas desvantagens e a experiência realizada com seu uso superou as nossas expectativas. As crianças permaneceram calmas durante todo o tratamento, não houve necessidade de se fazer qualquer estudo sobre como se utilizar o produto, sendo este de fácil manuseio, manipulação e utilização, podendo ser utilizado por qualquer profissional apto a desenvolver a Odontologia.

Mesmo nas cáries muito próximas à polpa, o tecido cariado foi totalmente removido sem causar exposição pulpar.

Lesão de cárie em dente decíduo antes do Aspecto da dentina após a aplicação

Referências bibliográficas

DELGADO, C.R.R., Análise da biocompatibilidade do Carisolvä com os tecidos dentários. 1999.

GOLDMAN M, KRONMAN JH, McNierney H. AGD update: a chemo mechanical means of removing caries. Academy of General Dentistry, 1987;6:1-9.

HABIB CM, KRONMAN J, GOLDMAN M. A chemical evaluation of collagen and hydroxyproline after treatment with GK-101 (N-chloroglycine). Pharm Ther Dent, 1975;2:209-215.

KNEIST, S., HEINRICH-WELTZIEN, STÖSSER, L. The occurrence of S.mutans on the cavity floor after chemo-mechanical caries removal. Dept. of Clinical Research Medi Team. September 30, 1999.

KRONMAN JH, GOLDMAN M, HABIB CM and MENGEL I. Electron-microscopic evaluation of altered collagen structure after treatment with N-monochloro-DL-2-aminobutyrate(Gk101E). J. Dent. Res., 1979;58:1914.

Mccune RJ. Report on a symposium on chemo-mechanical caries removal; a multi-center study. Compend. Contin. Educ. Dent., 1986;8:638-640.

SANTOS, E.M., BUSSADORI S.K., JAEGER, M.M.M., GUEDES-PINTO, A.C., Análise “in vitro” da citotoxicidade do Carisolv em cultura celular, 1999.

SANTOS, E.M., BUSSADORI, S.K., Biocompatibilidade do Carisolvä, 1999.

TAFNER, A.P.F., Necessidade do uso de anestesia local para remoção de lesões de cárie com Carisolvä, 1999.

ZU-QIAN G., QIAN-MING C. and WEI S. The clinical application of the chemo-mechanical caries removal system (Caridex); A comparative study. Compend Contin. Educ. Dent., 1987;8:638-640.


Voltar ...


Nota: Todas as informações que compõem o conteúdo do site OdontoWeb têm caráter meramente informativo e ilustrativo. Nenhuma informação contida no site OdontoWeb deverá ser utilizada, sob hipótese alguma, para a execução de diagnósticos médicos, e de quaisquer outros procedimentos relacionados à saúde. Para tanto, sempre consulte e visite regularmente seu dentista.