Reabilitação oral


Anestesia em Odontologia

O que é Anestesia?

A Anestesia é o bloqueio dos impulsos nervosos, de modo temporário ou não, objetivando impedir a percepção da ocorrência de estímulos dolorosos. Este bloqueio é fundamental para que o Dentista consiga realizar adequadamente os procedimentos pertinentes a sua atividade.

O que é a DOR?

A dor representa um instinto de defesa presente na maioria dos organismos vivos. A dor alerta quanto a ocorrência de um fato que não deve persistir, e sobre o qual deve-se tomar alguma atitude. Por exemplo, quando tocamos algum objeto extremamente quente de imediato existe o reflexo de puxar a mão.

O estímulo doloroso criado pelo calor faz com que nos protejamos, evitando a ocorrência de um dano sério. O tempo necessário para que ocorra a percepção do estímulo e se dê a resposta a este mesmo estímulo é da ordem de alguns centésimos de segundo. Os estímulos e as respostas aos estímulos se propagam por meio de trocas químicas em células específicas, conhecidas como células nervosas, com uma velocidade próxima dos cem metros por segundo.

Como funciona o Agente Anestésico? O anestésico tem a capacidade de impedir que trocas químicas se processem no interior das células nervosas, o que resulta na não propagação de estímulos e na ausência de dor.

O que é um Vasoconstritor?

Um agente vasoconstritor funciona diminuindo o fluxo sangüíneo no local em que é aplicado, devido a uma diminuição no diâmetro dos vasos sangüíneos.

A maioria dos anestésicos apresenta-se associada a algum vasoconstritor, o que é extremamente importante na medida em que este agente faz com que o anestésico permaneça mais tempo em contato com a região em que foi feita a aplicação, e seja "levado embora" pelo sangue de modo bem mais lento. Há dois tipos de vasoscontritores que são mais utilizados: os adrenérgicos (adrenalina/noradrenalina) e os sintéticos.

Qualquer anestésico está indicado para qualquer paciente? Não! Existem anestésicos mais adequedos para determinados pacientes do que para outros.

A seleção do anestésico ideal para uma ou outra situação é um passo extremamente importante dentro do tratamento do paciente, e é fundamentada no exame deste indivíduo e na busca de informações sobre o histórico odontológico e médico do paciente permitindo ao dentista distinguir quais são os pacientes ditos especiais.

ATENÇÃO: Anestésico é medicamento. A indicação de um ou outro deve estar fundamentada em conhecimentos científicos profundos dada responsabilidade e o risco que tal prescrição implica para a saúde dos pacientes.

Quais são os pacientes especiais quando se fala em anestesia? Os pacientes que merecem uma atenção especial do dentista são: diabéticos, hipertensos, hipotensos, gestantes, lactentes, alérgicos e hepatopatas.

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível é um aparelho protético que substitui os dentes naturais perdidos em arcadas nas quais ainda permanecem alguns dentes naturais, portanto, com perda parcial de dentes. É chamada de removível porque pode ser retirada pelo portador no momento que este desejar.

De um modo geral, as PPRs são indicadas para casos de perda de um número grande de dentes e, principalmente, quando ausentes os últimos dentes (dentes posteriores).

Este aparelho se fixa na boca através de grampos "semiflexíveis" metálicos apoiados em dentes naturais (dentes pilares) e por um perfeito assentamento do aparelho sobre a gengiva das áreas desdentadas.

Os grampos não estragam os dentes naturais. Eles devem ser feitos com técnicas corretas e o portador deve higienizá-los cuidadosamente, bem como os dentes naturais e o aparelho, pois o que causa a cárie é a placa de bactérias que se fixa no dente natural e nas superfícies dos grampos. Sem a presença dessa placa bacteriana, o dente se manterá sadio (com ou sem grampos).

A prótese deverá ser removida para limpeza sempre após a ingestão de alimentos. Deve-se utilizar escovas especiais que facilitem a limpeza das superfícies internas - por exemplo, escova cilíndrica, do tipo usado para limpeza de armas.

Remover bactérias, fungos e restos de alimentos do aparelho é tão importante quanto a limpeza dos dentes naturais. Para todo paciente portador de próteses, é necessário fazer visitas periódicas ao dentista, já que é considerado paciente dentado. De uma forma profissional, é preciso verificar o funcionamento da prótese e fazer a higienização dos dentes e do aparelho.

Uma PPR é mais eficiente na mastigação quando o seu número de dentes artificiais é pequeno. Quando é dento-suportada, isto é, quando existem dentes naturais nos dois extremos vizinhos ao espaço desdentado, e quando os dentes do arco antagonista são naturais ou próteses fixas.

A adaptação é fácil quando ela for bem executada e o portador tiver um mínimo de paciência para a adaptação e acomodação.

Nao se de remover a prótese ao dormir, desde que ela apresente condições de retenção, suporte a estabilidade e não esteja causando nenhum desconforto aos dentes ou aos tecidos gengivais.

Terceiros Molares (Dentes do ciso) Existem quatro dentes do siso: dois superiores, sendo um direito e um esquerdo, e dois inferiores, também direito e esquerdo. A erupção ocorre normalmente dos 17 aos 20 anos; portanto, são os últimos dentes da dentição a erupcionar.

Ás vezes eles não erupcionam porque algumas pessoas não possuem mesmo o dente do siso (germe dental); às vezes, não erupcionam por falta de espaço na arcada dental, ou ainda, pela posição horizontal do dente, o que dificulta a sua irrupção.

Se ele ficar dentro do osso (não erupcionar), pode produzir reabsorções de dentes vizinhos, transtornos dolorosos ao paciente e possíveis degenerações (lesões císticas).

A erupção parcial ocorre geralmente por falta de espaço na arcada ou pela posição horizontal do dente. Ambos os casos dificultam a erupção, ocorrendo, dessa forma, a erupção parcial do siso. Esse quadro pode provocar gengivites (inflamação da gengiva), abscessos na região, irritação local, dor e edema.

Há duas correntes: a primeira diz que, se houver espaço suficiente para a erupção do siso e o paciente não tiver tendência a apinhamento (mudança de posição), não haverá problemas; já a segunda diz que, se o espaço for insuficiente e o paciente, submetido à ortodontia e com tendência a apinhamentos, ou mesmo, só submetido à ortodontia, mas com a mesma tendência, poderá ter problemas futuros, como o apinhamento de dentes.

Quando a gengiva do dente do siso que está erupcionando inflama deve ser feita a remoção do tampão gengival que cobre parcialmente a superfície dental (ulectomia) ou a curetagem gengival, ambos realizados pelo profissional.

O paciente, para melhorar esse quadro inflamatório, poderá realizar higiene oral rigorosa no local; bochechos com anti-sépticos bucais podem amenizar o quadro, mas, para resolver o problema, o paciente deverá procurar um cirurgião-dentista.

A sua extração está indicada na ausência de espaço para a erupção, no posicionamento horizontal do siso, nos quadros de dor e quando se inicia a erupção e esta não se completa, ou seja, há erupção parcial do siso. Quando se faz a extração de um siso, provavelmente terá que ser feita a extração de ambos os sisos do mesmo lado. isto é, do superior e do inferior.

Prevenção ao Câncer Bucal O câncer de boca ocupa uma posição de destaque entre os tumores malignos do organismo devido a sua relativa incidência e mortalidade. A prevenção e o diagnóstico precoce podem ser realizados pelo cirurgião-dentista através dos seguintes procedimentos: correto exame clínico; afastamento dos fatores co-carcinógenos; diagnóstico e tratamento das lesões cancerizáveis; exames complementares (principalmente biópsia e citologia exfoliativa) e orientação e estimulação ao auto-exame.

Fatores co-carcinógenos são fatores que predispõem o paciente a desenvolver um tumor maligno; na boca, podemos citar principalmente o etilismo (álcool) e o tabagismo (cigarro, cachimbo etc.), as condições precárias de higiene (dentes quebrados, raízes residuais, tártaro etc.) e as próteses inadequadas ou em más condições (dentaduras e pontes fraturadas ou que causam algum ferimento).

Lesões cancerizáveis são enfermidades bucais que, quando não tratadas, podem evoluir para um câncer.

A etiologia é desconhecida, porém, alguns fatores são relacionados ao aparecimento dessas lesões. Os principais são: tabagismo, etilismo, traumatismos mecânicos e, nos cânceres de lábio inferior, também pode-se citar os raios solares.

Durante o ato de fumar, são liberadas inúmeras substâncias químicas junto à fumaça, algumas reconhecidamente cancerígenas. Outra ação seria o calor produzido principalmente pelo cachimbo.

O auto exame se faz através diante do espelho, com uma boa iluminação, deve-se inspecionar e palpar todas as estruturas bucais e do pescoço. Durante o auto-exame, os principais indícios a serem observados são: feridas que permanecem na boca por mais de 15 dias, caroços (principalmente no pescoço e embaixo do queixo), súbita mobilidade dental, sangramento, halitose, endurecimento e ou perda de mobilidade da língua. É importante frisar que a dor pode ser um sinal de lesão avançada.

O diagnóstico é simples. Após o exame clínico, o profissional, suspeitando de um tumor maligno, realiza uma biópsia, que consiste na remoção de um pequeno fragmento da lesão para posterior exame microscópico.

O tratamento pode ser realizado através de cirurgia, radioterapia e quimioterapia, podendo ser associados ou não.

Existe cura para o câncer e quanto mais cedo for diagnosticado (diagnóstico precoce), maiores são as chances de cura, sendo as seqüelas menores e, portanto, maior a qualidade de vida

Tratamento Ortodôntico Ortodontia é a especialidade da Odontologia que estuda o crescimento e desenvolvimento da face, bem como o desenvolvimento das dentições decídua (de leite), mista e permanente e seus desvios de normalidade, prevenindo, interceptando e corrigindo as más oclusões dentárias.

Apesar de não existir idade mínima para realizar a primeira consulta ao ortodontista, a época mais oportuna para se procurar um ortodontista é no começo da troca dos dentes de leite pelos dentes permanentes, ou seja, no início da dentição mista.

O clínico geral ou o odontopediatra (dentista responsável pelo tratamento em crianças) normalmente estão preparados para detectar alguma alteração da normalidade e encaminhar para uma avaliação ao ortodontista.

O ortodontista, atualmente, inicia seu tratamento com condutas mais simples, como a manutenção de espaços nos casos de perda prematura de dentes, corrigindo até casos mais complexos, como os tratamentos ortodônticos associados ao aumento ou diminuição cirúrgica dos maxilares.

A função principal do tratamento ortodôntico é restabelecer a oclusão dentária (perfeito engrenamento dos dentes superiores e inferiores), que é fundamental para correta mastigação e, conseqüentemente, adequada nutrição e saúde bucal. Com o restabelecimento da oclusão, evitam-se problemas de respiração, deglutição, fala e da articulação temporomandibular.

Não existe idade máxima para a realização de tratamento ortodôntico, embora no paciente adulto alguns cuidados especiais devam ser tomados, principalmente em relação aos tecidos de suporte dos dentes, que podem chegar a contra-indicar o tratamento.

Este pode ser mais lento e limitado, devido a falta de crescimento, problemas periodontais, perdas de elementos dentários e maior comprometimento das estruturas dentárias devido a próteses ou restaurações extensas.

Os aparelhos podem ser divididos em dois grupos: o fixo e o removível. Os aparelhos fixos são unidos aos dentes através de uma substância adesiva ou cimento; são compostos por bráquetes (metálicos, plásticos ou cerâmicos), tubos e anéis, que suportam o arco metálico responsável pela movimentação dentária.

Permitem maior movimentação dos dentes e independem da colaboração do paciente. Já os aparelhos removíveis são encaixados na boca, podendo ser retirados pelo paciente ou pelo ortodontista, e dependem da colaboração do paciente. Podem ser ortodônticos, os quais realizam pequenas movimentações dentárias, ou ortopédicos, utilizados nas correções de alterações esqueléticas (ósseas).

Hoje em dia, existem aparelhos como os de cerâmica, que são bastante estéticos, em que as peças de suporte se confundem com a coloração do dente.

É difícil de se prever o tempo de um tratamento ortodôntico, pois este depende de vários fatores, como respostas biológicas individuais, tipo de má oclusão, tipo de aparelho utilizado e colaboração do paciente. Um tempo médio é de vinte e quatro a trinta meses de tratamento ativo.

O tratamento ortodôntico, no início, causa uma certa sensibilidade, principalmentc na fase de colocação do aparelho. Após essa fase, existirá algum desconforto para o paciente cerca de 24 a 48 horas após os ajustes praticados pelo ortodontista.

Quando o tratamento é bem planejado e executado por profissional qualificado, não existem riscos maiores ao paciente, desde que este siga todas as instruções dadas, principalmente no aspecto de higiene bucal, pois os detritos podem causar problemas gengivais, periodontais, manchas brancas ou, mesmo, cáries dentárias.

Apesar de o problema genético ser um dos fatores do aparecimento da má oclusão nos filhos, outros fatores podem levar a tratamento ortodôntico, como respiração bucal, sucção prolongada de dedo ou chupeta, deglutição atípica e anomalias dentais.

Em muitos casos, a extração de dentes permanentes se faz necessária, principalmente naqueles em que há falta de espaço para a acomodação de todos os dentes no arco. O resultado deve ser um perfil harmonioso, agradável. com lábios contactados. sem esforço muscular e perfeita harmonia dentária. Quando bem indicadas, as extrações não trazem prejuízo algum ao paciente.

Podem ocorrer pequenas acomodações pós-tratamento, que podem estar ligadas ao crescimento e às alterações funcionais. Essa tendência é normalmente bem controlada e minimizada através de um bom planejamentoa de perfeita execução da técnica ortodôntica, bem como da utilização correta dos aparelhos de contenção.

Cuidados Quando se Usa Aparelhos Ortodônticos

1. Mantenha sua boca sempre limpa: seu ortodontista deve ensinar como escovar adequadamente seus dentes. Existem diversos tipos de escovas ortodônticas no mercado. Seu ortodontista dará maiores explicações.

2. Use fio dental todos os dias: existem no mercado passa-fios que ajudarão no uso do fio dental.

3. Não mastigue objetos estranhos como lápis, canetas, clipes

4. Corte alimentos sólidos em pequenos pedaços.

5. Evite os alimentos duros (nozes, pipoca), grudentos (goma de mascar), bebidas espumantes (refrigerantes) e doces.

Recomendações Após Cirurgia Bucal Coloque sobre a região operada compressa gelada ou uma bolsa com gelo por 40 minutos cada hora, tomando cuidado de proteger a pele com creme ou vaselina.

· Evite calor e esforço físico.Repouse sua cabeça no alto.

· Evite alimentos muito quentes e difíceis de mastigar.

· Para higienização após as refeições, enxague levemente a boca com solução salina morna (dissolva 1 colher de chá de sal de cozinha em um copo de água fervida).

· No caso de pequena hemorragia, após uma extração dentária, morda levemente um pedaço de gaze embebida em solução de água oxigenada 10 volumes e água destilada em partes iguais.

· Tendo febre alta, inchaço na região e outras anormalidades, comunicar seu dentista com urgência.

Como Proceder Diante dos Traumas Dentários

Em caso de Fratura dental:

1. Procure o fragmento fraturado;

2. Coloque dentro de um recipiente com água limpa;

3. Procure seu dentista com o fragmento. O pedaço do dente provavelmente será colado no local.

Quando ocorre mobilidade ou desalinhamento dental:

1. Pegue uma gaze limpa e tente alinhar suavemente o dente com os demais;

2. Nunca tente pressionar forçadamente o dente.

3. Procure seu dentista imediatamente pois o tempo é fundamental para salvar o dente.

Quando o dente sai inteiro da boca:

1. Procure o dente;

2. Lave em água corrente, nunca remova a carne que está em torno do dente;

3. Coloque o dente entre a bochecha e a gengiva;

4. Procure seu dentista imediatamente, pois o tempo é fundamental para preservação do dente.

Distúrbios da ATM A articulação temporo-manbibular (ATM) localiza-se na frente do ouvido. É a articulação mais exigida pelo corpo humano. Ela trabalha durante a fala, deglutição, mastigação. Muitos músculos estão ligados a ela.

Às vezes, esta articulação não funciona adequadamente diversas causas como:

· Apertar ou ranger os dentes de dia ou de noite;

· Traumas;

· Artrites reumatóides;

· Anormalidades durante a formação da ATM;

· Estresse.

É possivel saber se você tem problemas através de sinais e sintomas descritos a seguir:

· Dor na ATM durante a movimentação mandibular;

· Sensação de travamento da mandíbula;

· Estalos durante a mastigação;

· Limitação de abertura da boca;

· Dor em certas regiões da face e no ouvido;

· Dificuldade na oclusão (fechamento) dos dentes;

· Sensação de fadiga mandibular.

Existem basicamente dois tipos de tratamento: o clínico e o cirúrgico. Se você ou algum conhecido possuir algum desses sintomas, procure o Cirurgião-Dentista.

Mau Hálito Mau Hálito ou Halitose é o odor fétido e repugnante do ar expelido pelos pulmões. Sua causa mais comum, independente do fumo, é a higiene oral deficiente e conseqüente formação de placa dentária.

Pode ser originado devido a próteses mal adaptadas, restaurações defeituosas, perturbações do sistema gastrointestinal, diabete (odor de acetona ou fruta), nefrite (odor amoniacal característico devido à concentração de uréia na saliva e sua decomposição em amoníaco pelas bactérias).

É mais percebido pelos estranhos do que pela propria pessoa portadora de halitose. Varia com a hora e com a idade, agravando-se à proporção que a fome aumenta. Também a falta de higienização da língua (saburra), reentrâncias retentivas de alimentos, cáries, perda da papila interdentária, substâncias plásticas usadas na confecção de dentaduras e pontes sofrem infiltrações de líquidos bucais, são causas bucais.

Como causas extra bucais; citam-se: doenças da oro-faringe, bronco-pulmonares, deigestivas, disgonadismo feminino, alcalose, hepatopatia grave, tabagismo, doenças febris e causas idiopáticas (ignoradas).

O estômago não é o responsável pelo mau hálito. A prisão de ventre, o intestino preso é que pode provocar alterações internas.

Dentes Saudáveis, boca cheirosa e agradável.

O Stress altera o aroma da boca de várias maneiras. O nervoso e a exaltação reduzem o fluxo salivar, originando a halitose.

Não adianta ficar chupando bala de menta o dia todo.

Para resolver, você precisa investigar a causa da halitose.

Como você pode ver, o mau hálito pode ter inúmeras causas, e vai exigir exames, como a sialometria (medida do fluxo salivar). O tratamento é um pouco demorado, mas não impossível. A halitose significa que há alguma anormalidade orgânica e precisa ser corrigido.

Substâncias picantes podem resolver momentaneamente o problema, pois aumentam o fluxo salivar.Quem sofre de mau hálito deve evitar carne gordurosa, fritura, repolho, brócolis, couve-flor, alho, cebola. O leite deve ser desnatado e o queijo branco ou ricota. Evitar bebidas alcólicas, fumo e medicamentos com cheiro acentuado.

Caso necessite de uma maior orientação, consulte um dentista ou um otorrinolaringologista.

Aftas

Afta é um tipo de úlcera que ocorre em certas regiões da boca, como soalho da boca, mucosa labial, sendo rara no céu da boca e na gengiva inserida. Em geral é recidivante. O tamanho é cerca de 0,3 cm de diâmetro em média, podendo ser única ou múltipla, com dor provocada ou espontânea.

A literatura relata que , apesar de desconhecida, a causa das aftas envolve aspectos hereditários, psicossomáticos, infecciosos, hormonais ou interação desses fatores.

Em pessoas imunologicamente deprimidas por pós operatórios prolongados e desgastantes de grandes cirurgias, observam-se o aparecimento de áreas ulceradas na boca, compatíveis com afta. Traumatismos constantes devido, por exemplo, o uso de aparelhagem ortodôntica, próteses mal adaptadas podem causar aftas.A dor está presente nas mais variadas intensidades, desaparecendo entre 7 a 14 dias.

Tratamento: Em geral a afta tem cura espontânea, desaparecendo de 7 a 15 dias. Evite o uso de agentes cáusticos no local, pois os mesmos, apesar de diminuir a dor, provocam a destruição do tecido, o que faz com que a úlcera se torne mais profunda e sujeita a infecções. A utilização de anestésicos tópicos como a xilocaína é válido alguns minutos antes das refeições.

Alimente-se bem, evitando debilidade orgânica por carência de vitaminas, sais minerais e outros nutrientes. Caso haja muita dor, o uso de analgésicos por via oral pode ajudar. Quem usa aparelhos ortoônticos tem aftas com freqüência devido ao traumatismo constante. Use uma cêra no local que está traumatizando. Se a prótese for o caso do problema, seu dentista deverá ajustá-la. Se o problema persistir, consulte um odontólogo sem demora ;-)
br> Implantes Dentários O implante é um sistema instalado no osso alveolar remanescente, com o objetivo de reproduzir a função de uma ou mais raízes dentárias que foram perdidas.

O implante em si não é um dente artificial completo, mas sim, a raiz e sobre este, será construída uma prótese dentária (uma coroa), com alicerce baseado por um ou mais implantes (parafusos ou cilindros). O protocolo de um sistema de implante envolve, portanto, duas etapas distintas:

A etapa cirúrgica, quando são instalados os parafusos ou cilindros (implantes) e a segunda fase protética, quando da elaboração da prótese sobre o implante ou implantes. Os parafusos ou cilindros são elaborados com materiais que não produzem rejeição ou reação indesejável, ou seja, são biocompatíveis, podendo permanecer dentro do corpo humano. A grande maioria dos implantes de última geração, na odontologia contemporânea, são produzidos em titânio, oferecendo altíssima resistência e um altíssimo grau de biocompatibilidade.

Se instalados no organismo, haverá a osseointegração, ou seja, estaremos promovendo uma conexão rígida entre o tecido ósseo integro vivo e a superfície de um implante, evidentemente, após uma série de etapas biológicas. Este processo pode variar no tempo em que se consegue a osseointegração, dependendo de alguns fatores, na mandíbula (maxilar inferior), 4 meses e na maxila (maxilar superior), 6 meses. Neste período, os implantes permanecem sepultos (dentro do osso), protegidos de cargas ou movimentações e serão ativados, quando a osseointegração se completar. Neste período, em que é esperada a osseointegração, podemos utilizar uma prótese provisória, que não estará fazendo apoio aos implantes.


Voltar ...


Nota: Todas as informações que compõem o conteúdo do site OdontoWeb têm caráter meramente informativo e ilustrativo. Nenhuma informação contida no site OdontoWeb deverá ser utilizada, sob hipótese alguma, para a execução de diagnósticos médicos, e de quaisquer outros procedimentos relacionados à saúde. Para tanto, sempre consulte e visite regularmente seu dentista.