Os benefícios do flúor são visíveis


Pesquisa revela que o uso do flúor na água e na pasta de dente diminui cáries em crianças.

As crianças estão ficando com um sorriso mais branco e saudável. E isso se deve, em grande parte, à fluoretação da água, à crescente conscientização da população sobre a importância da higiene bucal e ao aumento do uso de dentifrícios (pastas de dente e soluções para enxágue) contendo flúor. Segundo Paulo Capel Narvai, coordenador de pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), Brasil, houve uma expansão significativa no acesso da população à água fluoretada. “No Estado de São Paulo, em 1982, apenas 30% da população usava água fluroretada. Em 98 este índice pulou para 93%”, diz.

A cirurgiã-dentista Maria Virgínia de Souza explica que o flúor é um dos principais aliados contra a cárie. “Ele fortalece o esmalte do dente, tornado-o mais resistente aos ataques das bactérias que surgem devido à má higienização e ao consumo de alimentos como doces e refrigerantes”, explica.

A quantidade de flúor, no entanto, deve ser dosada. Segundo Célia Delgado, coordenadora do curso de Especialização em Odontopediatria da USP, a fluorese (manchas brancas que aparecem nos dentes devido ao excesso de flúor) é um problema que tem aumentado.

“É comum a criança engolir o dentifrício com flúor. Isso, aliado à água, que já é fluoretada, gera um consumo em excesso do componente químico”, diz Célia. “Por isso, os pais devem supervisionar a utilização desses produtos e orientá-los a não engolir.”

Dor de dente

Entre os problemas odontológicos mais comuns em crianças estão a cárie e a má oclusão da boca (mastigação desalinhada). O primeiro, causado por bactérias, pode provocar dores desagradáveis, principalmente quando atinge a dentina. Nesse caso, a criança passa a sentir dor sempre que come doces ou toma líquidos frios.

Mas há casos em que, apesar de cariado, o dente não dói. “Chamamos de cárie crônica e ela pode passar despercebida. Por isso, é importante que os pais levem a criança ao dentista pelo menos uma vez ao ano”, diz a cirurgia-dentista Maria Virgínia.

A má oclusão pode ter causa desconhecida ou ser conseqüência de maus hábitos, como respirar pela boca, chupar o dedo e a chupeta. Em qualquer uma das situações, Patrícia Bettio, que atua na área de Ordontopediatria e Ortodontia Preventiva, aconselha aos pais não esperarem pela segunda dentição para colocar o aparelho ortodôntico. “Ao intervir antes, eles estarão evitando que os dentes permanentes nasçam tortos”, garante ela.

Dependendo do problema, ressalta Patrícia, o aparelho já pode ser colocado em crianças de 2 anos. “Na fase de adaptação, também é muito importante o estímulo dos pais, que devem elogiar os filhos falando sobre os benefícios do aparelho. Jamais ridicularizá-los colocando apelidos, mesmo que carinhosos.”

Como cuidar do sorriso de seu filho

Ainda na gestação, a mãe pode prevenir a cárie de seu filho tendo uma alimentação saudável e cuidando dos próprios dentes;

Não assoprar a comida do bebê, assim evita a transmissão de bactérias;

Restringir sempre que possível o consumo de açúcar (doce e refrigerantes) e alimentos à base de amido, fritos em alta temperatura (batatinha, salgadinho);

Estimular o filho, levando-o junto para escovar os dentes, passando o fio dental com ele por perto – lembre-se de que a criança age por imitação;

A partir dos 6 anos a criança pode escovar os dentes sozinha e receber instruções para passar o fio dental;

Somente após completar 9 anos a criança estará apta a passar o fio dental sozinha;

Os pais devem supervisionar a escovação dos filhos até os 12 anos;

Levar a criança ao dentista pelo menos uma vez ao ano.

Novas metas

Os profissionais da Faculdade de Saúde Pública que realizaram a pesquisa mencionada no início desta reportagem, feita de 1982 a 1998 em conjunto com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, vão repetir o estudo.

Naquele período examinaram 16 mil estudantes de 5 a 12 anos em 133 municípios do Estado e verificaram que o índice de cáries nas crianças diminuiu 48%. “Isto significa que em dezesseis anos o número de dentes cariados caiu de 7,1 para 3,7”, afirma Paulo Capel Narvai. Este ano esperam encontrar uma média de três dentes cariados por criança na faixa etária dos 12 anos.


Voltar ...


Nota: Todas as informações que compõem o conteúdo do site OdontoWeb têm caráter meramente informativo e ilustrativo. Nenhuma informação contida no site OdontoWeb deverá ser utilizada, sob hipótese alguma, para a execução de diagnósticos médicos, e de quaisquer outros procedimentos relacionados à saúde. Para tanto, sempre consulte e visite regularmente seu dentista.